sábado, 17 de janeiro de 2015

Treinamento Inteligente Core 360º: Conheça a preparação física do campeão mundial Gabriel Medina

Gabriel Medina não tornou-se campeão mundial à toa. Melhor surfista do World Tour da atualidade, o paulista de 21 anos tem se dedicado com afinco a uma jornada meticulosa de treinamentos dentro e fora d'água. Mais jovem surfista brasileiro a ingressar no Circuito Mundial, Medina esbanja talento e dedicação desde os tempos de grommet. O foco e a habilidade foram comprovados no desempenho arrasador de 2014. Venceu as três etapas de maior destaque do ano: em Snapper Rocks, com uma multidão de brasileiros na torcida em terras australianas; depois na perfeita Cloudbreak, Fiji; e, na sequência, na desafiadora onda de Teahupoo, no campeonato que, para muitos, inclusive Kelly Slater, foi o melhor da história da ASP (hoje WSL). Manteve-se "Número 1" do ranking praticamente o ano inteiro – só perdeu a liderança após o Rio Pro, por pouco tempo. No Pipe Masters, demonstrou excelente forma física em um desempenho histórico, ao lado de atuações épicas de Alejo Muniz e Filipe Toledo, conquistou o título mais cobiçado do surf profissional e chegou à final do campeonato mais almejado na onda mais perfeita do Tour. As estatísticas e os recordes impressionam. Ele foi/é o mais jovem surfista brasileiro a ingressar no circo da então ASP, isso quando tinha apenas 15 anos. A expressiva marca aconteceu no mesmo ano de 2009, quando o garoto venceu o WQS 6 Estrelas na Praia Mole em Santa Catarina e se tornou também o mais jovem surfista a conquistar um título da ASP, no cerne da elite profissional. Dois anos se passaram e Medina viveu uma ascensão meteórica. Entrou no WCT e de cara ganhou duas etapas da primeira divisão, em Hossegor na França e em São Francisco nos Estados Unidos, além de mais quatro títulos do WQS, que o credenciaram ainda naquele ano de 2011 à cobiça pela coroa. Foi Campeão Mundial Pro Junior em Florianópolis, em 2013, sem ter adversários à altura e definitivamente entrou num restrito hall de atletas. Junto ao talento indiscutível do surfista de São Sebastião e o apetite natural pela competição, os números não chegaram por acaso. Com acompanhamento profissional e da família em várias frentes de atuação para evolução esportiva e na formação como homem aliado a um planejamento muito bem definido de treinamentos, Gabriel Medina está mais solto e letal do que nunca, e com muita confiança o próprio transformou o favoritismo em energia positiva à conquista do sonho de ser Campeão Mundial de Surf Profissional. Para absorver e sentir um pouco dessa vibração que tem levado Gabriel a ser o “Número 1” do mundo, fomos até a casa do novo ídolo mundial na praia de Maresias para acompanhar um dia do “Treinamento Inteligente – CORE 360º – Instituto Marazul”, feito por ele em espaço-academia preparado para o Top, sob coordenação do preparador Allan Menache. A preparação planejada para Gabriel Medina é focada no sistema CORE 360°, voltado a promoção da saúde, melhora na qualidade de vida e aumento da performance, aplicado ao esporte competitivo em que a especificidade, no caso o surf, está presente em todas as fases do treinamento. A ideia é trazer uma nova experiência a cada dia nos princípios básicos de treinamento, tais como progressão, variação e transferência, condicionando o corpo à inteligência para ganho de força e aprimoramento da postura com base em equilíbrio, força, velocidade, coordenação, flexibilidade e resistência, tudo projetado para o desempenho dentro d’água. Com a aproximação de uma determinada etapa do World Tour, os treinos se tornam mais metabólicos, envolvendo movimentos integrados do corpo em tarefas bem dinâmicas e desafiadoras, com ênfase para aumentar a velocidade e a vibração na reta final da preparação. O aquecimento acorda a musculatura de forma divertida e previne as lesões motivadas por força excessiva. Trabalham-se mobilidade e aquecimento dinâmico de forma bem alongada com o peso do próprio corpo, estimulando os movimentos para controle das situações. E condiciona o atleta para um dia saudável. O treino é dividido em oito estações, com três séries repetitivas. Os movimentos são realizados em estações de exercícios integrados e estações de potência, com algumas fases subdividas. Sempre alternamos potência e velocidade, integradas à força. No Treinamento Inteligente, o trabalho é pró-receptivo, no qual o atleta tem que reconhecer o corpo no ambiente em que ele está inserido para estimular o trabalho de equilíbrio. Isso deixa o core muito mais esperto e preparado para as situações na hora de surfar. É muito importante estabelecer essa sinergia para promover o giro de energia que vai passar por todo o corpo do atleta. No caso de Gabriel Medina, nós estamos em vantagem porque ele tem um físico exemplar e nítida evolução corporal, junto ao fato de ser muito receptivo às informações e ensinamentos, o que provoca essa evolução mesmo quando não estamos juntos, isto é, atleta e treinador. Soma-se a isso o fato de ele ter muita vibração para melhorar cada vez mais e também querer alcançar o objetivo de ser campeão mundial de surf profissional. O trabalho é feito com tarefas diferenciadas, primeiro com polimento. Tudo que ele já fez se repete evoluindo técnicas necessárias como “circuito”, sempre buscando desenvolvimento cardiovascular envolvendo as demandas de potência, resistência de velocidade, força de membros superiores, inferiores e core. Esse conjunto é que faz a diferença dentro d’água. O treinador tem a função de motivar o atleta o tempo todo independentemente da situação. Mas quando o atleta está chegando no fim de treino, é a hora de falar: “Vamos, agora é a hora, você vai conseguir, falta pouco”. O psicológico depende de um conjunto de pessoas que trabalham com o atleta diariamente. Pai, mãe, irmãos, treinador, amigos. Se a cabeça não está boa, de nada adianta o treinamento, porque essa é a maior equação de equilíbrio corporal. O estresse da competição é terrível, pois o que surfista gosta mesmo é de pegar onda. É sempre um desafio e um prazer enorme fazer parte desse momento do Gabriel, ao cuidar da base da pirâmide que é a preparação física. Vale frisar que o trabalho começa com o acompanhamento do Instituto Marazul, através do Dr. Marcelo Baboghluian, que é pioneiro no projeto interdisciplinar de ler e entender cada atleta de maneira única. Cada treino, um desafio diferente. Créditos: Allan Menache, Hardcore, Adriano Vasconcellos. Fotos: Caio Palazzo Ilustrações: Sam Hart
Share this article
 
Copyright © 2014 BLOG DO RICKY • Some Rights Reserved.
Template Design by RICKY MEDEIROS • Powered by Blogger
back to top